Sexta Feira, 24 de Novembro de 2017
Redução das áreas naturais


09/06/2017
Foi comemorado na segunda-feira, 05 de junho, o Dia Mundial do Meio Ambiente, a data é celebrada desde 1972.
Os ambientalistas brasileiros não tiveram nenhum motivo aparente para comemorar a data. O setor critica a recém-aprovada Medida Provisória – MP 756/2016.
A MP, ao lado de outras alterações, reduz em 37% a Floresta Nacional do Jamanxim (PA) e transformou o território excluído em APA (Área de Proteção Ambiental), que tem menos proteção do que uma floresta nacional.
A proposta já passou pelo Congresso e espera apenas a sanção do presidente Michel Temer (PMDB), mas os ambientalistas querem, sem muita esperança, já que foi o próprio Executivo quem editou a medida, que ela seja vetada ao menos em parte, já que atinge uma região que é alvo de desmatamento há anos, segundo a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.
Em 2014, a Fundação criou a Rede de Especialistas de Conservação da Natureza, uma equipe que propaga posicionamentos em defesa da conservação da natureza brasileira. Para aproximar o tema da população, em especial a das áreas urbanas, a rede divulga 10 impactos do desmatamento no conjunto da sociedade brasileira.
Dentre os 10 impactos, o primeiro deles é que na Amazônia se formam os ‘rios aéreos’, massas de ar carregadas de vapor d’água. A umidade vai em direção ao centro oeste, sudeste e sul do Brasil. Estudos mostram que a segurança hídrica nacional depende da Amazônia.
Outro item da pauta é que por cerca de 10 anos, o desmatamento na Amazônia teve quedas seguidas e oscilou entre 5 e 6 mil km2/ ano até 2015, pela medição do INPE. Pelo indicador porém, o índice de 2016 foi de quase 8 mil km2, um precedente para novos aumentos.
Além de insistir que a destruição da Floresta Amazônica desregula o clima e as chuvas do país inteiro, os ambientalistas chamam a atenção para consequências já frequentes no noticiário atual, como os conflitos no campo. E também ressaltam benefícios pouco comentados, como a geração de empregos.
“As atividades ‘verdes’ tendem a ser mais intensivas em mão de obra e em produtos manufaturados com maior conteúdo de inovação”, diz Carlos Eduardo Young, economista e membro da rede.
Para o grupo, houve recentemente uma reversão nas quedas anuais no desmatamento que marcaram os últimos 15 anos, o que preocupa tanto a curto como a longo prazo.
O estudo ainda retrata temas como a pecuária, aquecimento, saúde pública, empregos e violência rural. Esse último ficou comprovado por dados coletados em 2014 que nos municípios onde há mais desmatamento, a taxa de homicídios é maior. O motivo são os conflitos entre grileiros que ocupam as terras ilegalmente e posseiros, ou até mesmo com habitantes de áreas protegidas.
Há muito tempo acompanho as questões ambientais. A “Casa comum”, tema da campanha da fraternidade de 2016, não tem sido bem cuidada como deveria. Algumas pessoas ainda tem dificuldade de entender que o crime ambiental é um delito como qualquer outro.



“Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”.

Amos 5:24 – Bíblia Sagrada

Fonte: José Antônio Costa


 
Veja Mais:

  • 17/11/2017 - O câncer de próstata e o novembro azul
  • 10/11/2017 - A trufa no semáforo e o picolé de Jales
  • 03/11/2017 - A Reforma, 500 anos depois...
  • 28/10/2017 - Bullying: O Bocão da Royal
  • 20/10/2017 - Será a volta do trabalho escravo?
  • 13/10/2017 - Quando deixamos de ser criança?
  • 06/10/2017 - O Sul é meu País?
  • 29/09/2017 - E o mundo não acabou...
  • 22/09/2017 - Os espinhos da administração municipal
  • 11/09/2017 - “Povo heroico o brado retumbante”
  • 04/09/2017 - Somos 28.084 habitantes?
  • 25/08/2017 - Articulações para 2018
  • 18/08/2017 - Imparcialidade ou fuga?
  • 11/08/2017 - De pai para pai
  • 04/08/2017 - Mitos humanos
  • 28/07/2017 - Selfies reveladas!
  • 21/07/2017 - Parlamentares dos R$ 533 milhões em dívidas
  • 14/07/2017 - Entre Lula e Lulia
  • 07/07/2017 - “Lava jato” será reduzida a pano úmido!
  • 30/06/2017 - Desacelerando
  • 22/06/2017 - Salvando vidas pelos ares
  • 16/06/2017 - Falta leitura, sobra manipulação
  • 09/06/2017 - Redução das áreas naturais
  • 02/06/2017 - Gestor ou político?
  • 26/05/2017 - Chega de mão grande
  • 19/05/2017 - E agora, Temer?
  • 12/05/2017 - Dívida impagável com as mães
  • 08/05/2017 - Maio Amarelo
  • 02/05/2017 - Jovens fora do ensino superior!
  • 20/04/2017 - O jogo mortal Baleia Azul
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites