Sábado, 17 de Fevereiro de 2018
Setor de serviços cai 0,8% em julho, primeira queda desde março


13/09/2017

A queda vem após crescimento de 1,3% em junho e de 0,3% em maio.


 

O volume do setor de serviços do país caiu 0,8% em julho frente a junho na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira (13) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a primeira queda desde março, quando o recuo foi de 2,3%. A queda vem após crescimento de 1,3% em junho, de 0,3% em maio e de 1,1% em abril.



De acordo com o analista da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Roberto Saldanha, o setor de serviços vinha crescendo desde outubro do ano passado. O resultado de março interrompeu a trajetória de crescimento, que foi retomada em abril, mas voltou a cair em julho.



No acumulado de 12 meses, o volume do setor de serviços caiu 4,6%. Já de janeiro a julho, a queda é de 4%. Em relação a julho de 2016, o recuo é de 3,2%. Todas essas séries são sem ajuste sazonal.

 



Segmentos



 


O segmento de serviços prestados às famílias (hotéis, restaurantes, atividades esportivas e outros) foi o único a crescer (0,9%) em julho frente ao mês anterior.



Roberto Saldanha apontou que a melhora das condições do mercado de trabalho, associadas à liberação das contas inativas do FGTS foram os principais fatores de influência nesse desempenho.

 


“Julho foi o último mês para saque das contas inativas do FGTS, portanto, podemos considerar que a melhora na renda das famílias contribuiu para o aumento no consumo de serviços”, disse.



“Além, é claro, da estabilização dos preços. Isso está fazendo, por exemplo, com que as pessoas consumam mais fora de casa. Vale lembrar também que julho foi um mês de férias, então, houve maior consumo de serviços como hotelaria e alimentação”, completou.



Saldanha destacou que o segmento de serviços profissionais, administrativos e complementares, que teve queda de 2%, foi o principal responsável pela queda total do setor.



Segundo o economista, “esta foi uma queda pontual”, mas ainda assim não há indícios de recuperação do setor de serviços no país.



“Para ocorrer essa recuperação tem-se que verificar um crescimento mais robusto da indústria. Só o setor industrial pode alavancar os serviços, além do setor público por meio de suas contratações – entenda como terceirização”, ressaltou Saldanha.



Já as atividades turísticas tiveram queda de 2,1% em relação a junho, e de 5% na comparação a julho de 2016. Apesar de julho ser um período de férias escolares, o que estimularia as viagens e as hospedagens no país, Saldanha ressaltou que “esse segmento está com um histórico predominantemente negativo, entre outros motivos, por causa da inflação no preço das passagens aéreas em julho”.



Saldanha ponderou que esse segmento engloba, além da hotelaria e outros serviços turísticos, o setor de transporte, as agências de viagens, locadoras de veículos, entre outros. “O transporte aéreo foi o que puxou para baixo esse resultado”, afirmou.



Veja o desempenho dos segmentos analisados, de junho para julho:



 


  • Serviços prestados às famílias: 0,9%

  • Serviços de informação e comunicação: -0,8%

  • Serviços profissionais, administrativos e complementares: -2%

  • Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio: -0,9%

  • Outros serviços: -2,8%

  • Atividades turísticas: -2,1%


 


Receita



 


A receita nominal em julho, na série com ajuste sazonal, ficou praticamente estável (-0,1%). Na comparação com julho de 2016, a variação foi de 1,9%. A taxa acumulada no ano ficou em 1,7% e a dos 12 meses, em 0,7%.



 


Por regiões



 


Os resultados regionais do setor de serviços em relação a junho apresentaram alta em Rondônia (2%), Mato Grosso do Sul (0,8%), Amazonas (0,8%), Goiás (0,7%) e Rio Grande do Norte (0,7%). As retrações ocorreram em Mato Grosso (-7%), Espírito Santo (-6%) e Tocantins (-5,3%).



Na comparação com julho de 2016, Paraná (7,1%), Amazonas (5,6%) e Mato Grosso (5,3%) registraram alta, enquanto Roraima (-17,0%), Tocantins (-14,7%), Distrito Federal (14,7%) e Maranhão (-11,6%) tiveram queda.

 






Fonte: g1.globo.com

 
Veja Mais:

  • 05/02/2018 - Vendas de veículos novos crescem 23,14% em janeiro, diz Fenabrave
  • 29/01/2018 - Governo Central encerra 2017 com déficit de R$ 124,4 bilhões
  • 29/01/2018 - Mercado reduz estimativa do PIB de 2018 de 2,7% para 2,66%, diz Banco Central
  • 22/01/2018 - Idosos a partir de 60 anos com conta na Caixa ou BB receberão crédito do PIS/Pasep nesta segunda
  • 18/01/2018 - Petrobras: preço do gás de cozinha cai 5% nas refinarias a partir de sexta-feira
  • 17/01/2018 - TRF-5 rejeita pedido de suspensão de liminar que proíbe privatização da Eletrobras
  • 16/01/2018 - Governo vai ao STF para suspender decisão de juiz sobre privatização da Eletrobras
  • 16/01/2018 - 76% dos municípios cresceram acima da média do Estado
  • 11/01/2018 - Aposentados e pensionistas que ganham mais que o mínimo terão reajuste de 2,07%
  • 10/01/2018 - Índice que reajusta aposentadoria de quem ganha acima do mínimo fica em 2,07% em 2017
  • 10/01/2018 - Inflação oficial fecha 2017 em 2,95%
  • 09/01/2018 - Vai aproveitar a tarifa branca? Cuidado para não pagar mais na conta de luz
  • 04/01/2018 - Preços da gasolina e do diesel diminuem hoje nas refinarias
  • 04/01/2018 - Venda de veículos novos sobe 9% no Brasil em 2017, após 4 anos seguidos de quedas
  • 27/12/2017 - Comércio eletrônico tem alta de 13% no faturamento em 2017
  • 27/12/2017 - Após 7 meses de criação de postos de trabalho, país fecha 12.292 vagas em novembro
  • 20/12/2017 - Dólar cai ante real de olho na reforma tributária nos EUA
  • 14/12/2017 - Porto de Paranaguá alcança 50 milhões de toneladas movimentadas em 2017
  • 13/12/2017 - Economia paranaense cresce acima da média nacional no terceiro trimestre de 2017, diz Ipardes
  • 07/12/2017 - 10,5 milhões de brasileiros produzem algo para consumo próprio, revela IBGE
  • 07/12/2017 - Petrobras vai mudar regra que reajusta preço do gás de cozinha
  • 30/11/2017 - Desemprego fica em 12,2% e atinge 12,7 milhões de brasileiros
  • 29/11/2017 - Trabalho infantil: quase 1 milhão de menores trabalham em situação ilegal no Brasil, aponta IBGE
  • 29/11/2017 - Metade dos trabalhadores brasileiros tem renda menor que o salário mínimo, aponta IBGE
  • 23/11/2017 - Prévia da inflação no ano tem a menor taxa para novembro desde 1998
  • 13/11/2017 - Preço da gasolina sobe e combustível atinge novo recorde, diz ANP
  • 01/11/2017 - Venda de veículos novos cresce 27,5% no Brasil em outubro
  • 31/10/2017 - Desemprego recua para 12,4% em setembro, a menor taxa do ano
  • 23/10/2017 - Gasolina volta a subir e se aproxima de recorde no ano, diz ANP
  • 20/10/2017 - Gestão pública de qualidade combate a desigualdade social
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites