Quarta Feira, 24 de Outubro de 2018
EDITORIAL: O fortalecimento das instituições e o escândalo histórico na Petrobras


21/11/2014
O assunto que ganha destaque na imprensa do país e repercute também mundialmente é o escandaloso rombo nos cofres da Petrobrás. Se outrora vivemos uma crise institucional profunda, o atual momento é bem diferente. Instituições como Polícia Federal, Ministério Público e porque não citar também a própria Receita Federal, ganham força neste momento onde os corruptos envolvidos já estão sendo ouvidos e tendo que se explicar sobre as práticas aplicadas e as estratégias adotadas. O esquema envolveu cifras milionárias e os contratos junto à Petrobrás tinham uma aparente idoneidade e lisura,
Várias empreiteiras participavam no processo licitatório e num jogo de cartas marcadas, o valor bilionário das obras era fechado globalmente e dentre as tais uma era eleita, convencionada previamente entre as demais, para “ficar” com os serviços. O detalhe é que uma vez contratada, recebia os valores e repassava parte às demais que deixaram de dar lances decrescentes que apimentariam o leilão ao reverso.
Os que se julgavam imunes à lei e achavam que o esquema bilionário jamais seria descoberto se surpreenderam. Procuradores, Investigadores e Policiais Federais conseguiram desbaratar o esquema e as investigações prosseguem. Estão sendo ouvidos um a um os executivos, citados previamente por Alberto Yossef e Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás, que foi detido em março e que, em busca dos benefícios advindos da delação premiada, “decidiu” contribuir com as investigações. O Judiciário, até o inicio desta semana já havia bloqueado cerca de R$720 milhões em bens dos envolvidos e que são investigados neste, que sem dúvidas, é o maior esquema de corrupção no Brasil, pelo menos entre os que foram descobertos.
Era 13 (treze) o número de empreiteiras (os que creem em numerologia já devem estar divagando sobre este significado com ares de linguagem subliminar). Um cartel que se reunia para decidir quais os valores das obras da Petrobrás, que acabava abastecendo também os escalões de partidos políticos. Dinheiro público financiando políticos e campanhas, para a perpetuação desta corja no poder . Entre corruptos e corruptores, todos já estão sendo arrolados no processo. 3% (três por cento) de todo o montante era depositado em um caixa clandestino, com depósitos bancários no Brasil e até no exterior, devidamente maquiados com ares de uma aparente prestação de serviço objetivando dar certo ar de lisura, idoneidade e transparência, qualidades que em nada se assemelham a qualquer um dos bandidos envolvidos! Empresas de fachada, existentes apenas com a finalidade da emissão de notas fiscais frias, davam o respaldo para que o processo todo parecesse algo sério e legítimo em sua propositura e finalidade. Por um lado a Presidenta Dilma afirma que tais descobertas se deu a mando dela para que as instituições investigassem. Se o dinheiro era destinado para bancar partidos como PP, PMDB e o próprio partido de Dilma (PT), como ela, membro e eleita pela sigla, daria um tiro no próprio pé?
Creio sim, que as instituições se fortaleceram, tornando-se mais independentes e que agora tem mais acesso às informações e poderes para colocar cada ente envolvido nas operações fraudulentas , no seu lugar de direito que é atrás das grades. Enquanto tudo isso ocorre, o governo manda, após reeleito, a aumentar o preço dos combustíveis, pois os valores antes praticados eram insuficientes, Fazem do povo palhaço, não do perfil que anima a plateia durante o espetáculo, mas do tipo que chora quando as cortinas do espetáculo se fecham! Algo definitivamente precisa ocorrer. As instituições estão fortalecidas, sem dúvidas, mas vamos ver se, no final de tudo isso, os culpados definitivamente serão julgados e condenados.
A revolta do povo é tão grande que o desejo de intervenção militar, com um governo provisório) ou até mesmo o impeachment da Presidenta Dilma ganha força em várias camadas sociais! Vamos ver o que vai dar...

Fonte: Alex Fernandes França

 
Veja Mais:

  • 03/08/2018 - O homem cordial, a política e a Lei de Gérson!
  • 04/06/2018 - Mundo em colapso
  • 12/01/2018 - O ano que queremos...
  • 24/11/2017 - Marcas no corpo e na alma
  • 25/08/2017 - "Nem com uma flor..."
  • 28/07/2017 - Ódio ideológico
  • 22/06/2017 - Investir em Esportes faz bem
  • 09/06/2017 - Escolas do Crime
  • 02/06/2017 - Há esperança para o Antonio Esperança?
  • 26/05/2017 - Reciclando ações
  • 19/05/2017 - A amplitude da informação aliada à Educação
  • 15/05/2017 - Até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 02/05/2017 - Viagens extraordinárias
  • 17/04/2017 - Cidadania e justiça
  • 31/03/2017 - O progresso pede passagem
  • 27/03/2017 - A carne é fraca?
  • 17/03/2017 - Respeito é bom...
  • 03/03/2017 - O menor de idade e a falência do sistema carcerário
  • 24/02/2017 - Refis: justo ou injusto?
  • 17/02/2017 - Chega de violência
  • 10/02/2017 - Que comecem os trabalhos...
  • 27/01/2017 - Fato ou boato: até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 20/01/2017 - Vilas Rurais: desvio de finalidade?
  • 06/01/2017 - Gestão Pública eficiente: anseio coletivo
  • 23/12/2016 - Real motivo de celebração
  • 17/12/2016 - Responsabilidade Humana
  • 25/11/2016 - Patrimônio inestimável
  • 11/11/2016 - Ultranacionalista no poder
  • 28/10/2016 - Finados: dia de celebrar a vida
  • 21/10/2016 - Bye bye clientes
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites