Segunda Feira, 12 de Novembro de 2018
Professores: A luta continua!


13/02/2015

Denominada pelos professores como “Pacote de Maldades do Governador Beto Richa”, as ações e medidas implantadas pelo Governo do Paraná estão desagradando diversos setores e afetando diretamente as conquistas dos professores que lutam há décadas por melhores condições de trabalho e salários compatíveis com a nobre função de ensinar. Richa pegou os paranaenses de surpresa e indubitavelmente se estas medidas tivessem sido tomadas antes das eleições, comprometeria (e muito) a sua reeleição. Foi este o presente que o paranaense recebeu do governo que reelegeu.

A ampliação dos direitos dos professores sempre foi alvo de luta intensa e agora o governo quer tirar conquistas importantíssimas como: Planos de carreira de Professores(as) e Funcionários(as), equiparação salarial do magistério – não faz tempo os professores recebiam salários muito mais baixos que os demais servidores aos quais também é exigido nível superior para ingresso no mundo do trabalho público paranaense – 1/3 de hora atividade para professores(as) – tempo destinado ao trabalho docente fora da sala de aula - eleição para diretores(as) de escolas, além de manter uma luta permanente pelos direitos de uma aposentadoria digna depois de uma vida laboral dedicada aos fazeres do ensino-aprendizagem das gerações. Seria este, senhor governador, o seu compromisso de não medir esforços para uma educação de qualidade no Paraná? Há condições de ministrar uma aula de qualidade com 50 alunos dentro da sala? O governo cancelou as eleições de diretores e diretoras dos Colégios no Paraná.

Este governo vem penalizando a população do Paraná com o aumento na alíquota do IPVA, saltando de 2,5% para 3,5% sobre o valor do automóvel. Na prática haverá um aumento de cerca de 40% neste imposto, aumento de ICMS e taxação de 11% sobre a previdência dos aposentados pelo Instituto de Previdência do Estado. Professores que não receberam seu 1/3 de férias, somando R$150 milhões, sem contar os 29 mil educadores contratados temporariamente via PSS que demitidos sumariamente, não tiveram suas rescisões contratuais acertadas.

Também soma 90 milhões o valor da dívida referente ao não pagamento de promoções e progressões de professores (as) e funcionários durante todo ano passado, direitos garantidos nos Planos de carreiras destas duas categorias.  Que também se explique a razão do atraso dos repasses dos fundos rotativos das escolas, que permite que os diretores façam pequenos reparos nas referidas instituições.

Um governo que vivede atrasar de repasses de convênios de escolas, entidades da educação especial, escolas itinerantes da reforma agrária. Que lástima a situação que se encontra o nosso Paraná. A nobre missão de ensinar sendo sucateada, desvalorizada e conquistas históricas se esvaindo pelo ralo da incompetência. Caminhamos para o retrocesso, de volta ao atraso cujo passado não nos traz boas lembranças. O APP Sindicato tem se manifestado na luta pelos interesses da classe. Todos precisamos nos unir em prol da valorização da educação e sem dúvidas, retirar conquistas históricas é um retrocesso sem precedentes!

O interessante é que o setor público que não valoriza a Educação e oferece um serviço de qualidade ruim no futuro quer dar um “jeitinho”, ofertando cotas para que estudantes de escolas públicas possam ingressar nas Universidades.  O educador Suíço Jean Piaget (1896-1980) assim disse: “O principal objetivo da Educação é criar pessoas capazes de fazer coisas novas e não simplesmente repetir o que as outras gerações fizeram.” A nossa pergunta é a seguinte: estamos criando ambientes para que os alunos se desenvolvam em tal nível de excelência para que sejam de fato capazes de fazer coisas novas? Os mesmos erros de outrora são repetidos e desta vez, em vez da cavalaria lançada pelo governo (como ocorrera no passado), a retirada dos direitos da classe é um duríssimo golpe contra nossos educadores.

Qual a motivação que terá um professor sendo mal remunerado, com suas conquistas subtraídas e vivendo sob pressão num ambiente de 50 alunos em uma sala de aula? É preciso que o governo reveja suas intenções e que os deputados façam sua parte, legislando em prol da população, pois uma Educação de má qualidade trará desdobramentos terríveis sobre a vida do cidadão. Conta-se  umaestória sobre quatro pessoas:
Todo Mundo, Alguém, Qualquer Um e Ninguém.
Havia um importante trabalho a ser feito e Todo Mundo tinha certeza de que Alguém o faria.
Alguém zangou-se porque era um trabalho de Todo Mundo.
Todo Mundo pensou que Qualquer Um poderia fazê-lo, mas Ninguém imaginou que Todo Mundo deixasse de fazê-lo.
Ao final, Todo Mundo culpou Alguém quando, Ninguém fez o que Qualquer Um poderia ter feito."Infelizmente, os seres humanos tem esta mania de fugir da responsabilidade. Espero que o Governo do Estado não fuja das suas e dê o real valor às classes que colaboram para o engrandecimento do cidadão e consequentemente da nação. Precisamos construir mais escolas e investir na Educação com qualidade. Só assim nos tornaremos um povo melhor e mais preparado! 

Fonte: Alex Fernandes França


 
Veja Mais:

  • 03/08/2018 - O homem cordial, a política e a Lei de Gérson!
  • 04/06/2018 - Mundo em colapso
  • 12/01/2018 - O ano que queremos...
  • 24/11/2017 - Marcas no corpo e na alma
  • 25/08/2017 - "Nem com uma flor..."
  • 28/07/2017 - Ódio ideológico
  • 22/06/2017 - Investir em Esportes faz bem
  • 09/06/2017 - Escolas do Crime
  • 02/06/2017 - Há esperança para o Antonio Esperança?
  • 26/05/2017 - Reciclando ações
  • 19/05/2017 - A amplitude da informação aliada à Educação
  • 15/05/2017 - Até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 02/05/2017 - Viagens extraordinárias
  • 17/04/2017 - Cidadania e justiça
  • 31/03/2017 - O progresso pede passagem
  • 27/03/2017 - A carne é fraca?
  • 17/03/2017 - Respeito é bom...
  • 03/03/2017 - O menor de idade e a falência do sistema carcerário
  • 24/02/2017 - Refis: justo ou injusto?
  • 17/02/2017 - Chega de violência
  • 10/02/2017 - Que comecem os trabalhos...
  • 27/01/2017 - Fato ou boato: até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 20/01/2017 - Vilas Rurais: desvio de finalidade?
  • 06/01/2017 - Gestão Pública eficiente: anseio coletivo
  • 23/12/2016 - Real motivo de celebração
  • 17/12/2016 - Responsabilidade Humana
  • 25/11/2016 - Patrimônio inestimável
  • 11/11/2016 - Ultranacionalista no poder
  • 28/10/2016 - Finados: dia de celebrar a vida
  • 21/10/2016 - Bye bye clientes
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites