Segunda Feira, 12 de Novembro de 2018
Brasil: O País do desgoverno


27/02/2015

O Brasil descarrilou de vez. A paralisação dos caminhoneiros, justíssima, diga-se de passagem, mostra a fragilidade deste governo federal que não consegue harmonizar as questões internas. O Brasil parou. Os combustíveis foram os primeiros itens que desapareceram dos tanques dos Postos e ao que tudo indica, logo logo sentiremos a falta de outros produtos e serviços. As prateleiras dos supermercados já começam a ficar vazias e a população, desabastecida. Vivemos uma verdadeira Anarquia. O termo anarquismo tem origem na palavra grega anarkhia, que significa "ausência de governo". Na essência da palavra, o anarquismo é uma forma interessante, mas infelizmente esta falta de governo ela é de fato, porém não de direito. O Governo está lá, devidamente constituído, mas não exerce suas funções a contento do povo, deixando de suprir suas demandas e necessidades mais elementares. Chegamos ao caos. A inflação voltou, mesmo com a moeda forte do Real. Com a falta de combustíveis, rapidamente chegou até mim, via rede social, as imagens dos cartazes de Postos em Maringá vendendo gasolina a R$6,499. Que país é este minha gente? Petroleiros, mensaleiros nojentos que dilapidam nossas riquezas e promovem a desigualdade social que tanto nos assola.

Precisamos mudar. Ou o Brasil se transforma ou quebra. A exemplo da Fênix (pássaro da mitologia grega que renasce das cinzas) precisamos extrair forças de onde nem sabemos a fonte, mas fato é que ela existe. Prova máxima disso é o clima de caos total que se tornou quando um setor se organiza, exigindo mudanças. Os caminhoneiros pedem (com razão) a redução nos preços do óleo diesel e uma tabela por quilômetro rodado, balizando o setor com um teto mínimo a ser estabelecido, para que o pouco lucro que lhes restam, não fique na estrada, com consertos, refeições, pedágios e combustíveis. Se o anarquismo se diferencia do comunismo e do socialismo por ser inimigo absoluto do estado, o termo está associado a bagunça e desgoverno, mas não tem por premissa que assim seja.

 Este comunismo que se instalou paulatinamente, sorrateiramente no Brasil, deixando o cidadão cada dia que passa mais dependente do estado, é a forma mais baixa e vil de desrespeito ao povo, o transformando no eterno subserviente ao governo.

Pra onde foi a soberania nacional? O amor aos símbolos e respeito à pátria, jogados no lixo, levados pelo ralo da nojenta corrupção que nos depreda e deteriora como povo, como raça, como nação.  A expressão popular “não dá conta, pede a conta” cabe a este governo do PT. Fundamentalistas são  tais partidários que, sob o cabresto a que são levados, não enxergam (ou não querem ver) que o país está andando para trás. A bandeira que temos que levantar não é de direita, esquerda ou centro. Ergamos o estandarte da nossa soberania fincada no solo do respeito e cidadania a que fomos chamados a exercer. Meus amigos caminhoneiros, estamos com vocês. A classe exprime todo o descontentamento da nação. Reportagem de uma grande emissora de Tv brasileira mostrou esta semana que nos Estados Unidos os combustíveis tiveram uma boa redução no preço e que o Norte americano vai chegar a economizar em torno de R$1.700,00 em média. A descoberta dos novos poços de petróleo no país Yanke somados à queda nas exportações levaram à redução dos preços, ou seja, a lei da oferta e da procura falou mais alto, já que o petróleo de lá não é usado para patrocinar políticos e empreiteiros corruptos. Que tenhamos um país livre e um governo que tenha moralidade para segurar as rédeas que direcionam e dão rumos certeiros ao desenvolvimento da nação!
 
Alex Fernandes França é Administrador de Empresas, Teólogo, Diretor do Jornal Noroeste e Membro da Associação dos Cronistas do Estado do Paraná.
 
 

Fonte: Alex Fernandes França


 
Veja Mais:

  • 03/08/2018 - O homem cordial, a política e a Lei de Gérson!
  • 04/06/2018 - Mundo em colapso
  • 12/01/2018 - O ano que queremos...
  • 24/11/2017 - Marcas no corpo e na alma
  • 25/08/2017 - "Nem com uma flor..."
  • 28/07/2017 - Ódio ideológico
  • 22/06/2017 - Investir em Esportes faz bem
  • 09/06/2017 - Escolas do Crime
  • 02/06/2017 - Há esperança para o Antonio Esperança?
  • 26/05/2017 - Reciclando ações
  • 19/05/2017 - A amplitude da informação aliada à Educação
  • 15/05/2017 - Até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 02/05/2017 - Viagens extraordinárias
  • 17/04/2017 - Cidadania e justiça
  • 31/03/2017 - O progresso pede passagem
  • 27/03/2017 - A carne é fraca?
  • 17/03/2017 - Respeito é bom...
  • 03/03/2017 - O menor de idade e a falência do sistema carcerário
  • 24/02/2017 - Refis: justo ou injusto?
  • 17/02/2017 - Chega de violência
  • 10/02/2017 - Que comecem os trabalhos...
  • 27/01/2017 - Fato ou boato: até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 20/01/2017 - Vilas Rurais: desvio de finalidade?
  • 06/01/2017 - Gestão Pública eficiente: anseio coletivo
  • 23/12/2016 - Real motivo de celebração
  • 17/12/2016 - Responsabilidade Humana
  • 25/11/2016 - Patrimônio inestimável
  • 11/11/2016 - Ultranacionalista no poder
  • 28/10/2016 - Finados: dia de celebrar a vida
  • 21/10/2016 - Bye bye clientes
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites