Segunda Feira, 12 de Novembro de 2018
Onde estão os novos Prestes?


26/02/2016
Após assistir o filme Olga, lançado em 2004 e protagonizado pela atriz Camila Morgado, no papel título da trama, me interessei em ler sua  biografia e a do seu companheiro, Luiz Carlos Prestes (1898-1990) , interpretado no filme pelo ator Caco Ciocler e confesso que fiquei fascinado com o que li e assisti. Muito embora eu não seja adepto ao comunismo, entendendo-o como um sistema político arcaico e autoritário, não posso deixar de mencionar a importância histórica de Prestes na política nacional, principalmente sua luta contra as oligarquias.
Por sua vez, Olga Benário foi uma militante comunista desde jovem, que, perseguida pela polícia, foge para Moscou. Em Moscou, Olga faz treinamento militar. Lá ela é encarregada de acompanhar Luís Carlos Prestes ao Brasil para liderar a Intentona Comunista de 1935, se apaixonando por ele na viagem. Com o fracasso da revolução, Olga é presa com Prestes. Grávida de 7 meses, é deportada pelo governo Vargas para a Alemanha nazista e tem sua filha Anita Leocádia na prisão feminina do Campo de Concentração de Barnimstraße. Afastada da filha, Olga é então enviada para o Campo de Concentração de Ravensbrück, onde é morta na Câmara de Gás.
Luiz Carlos Prestes talvez tenha sido o brasileiro mais perseguido de todos, graças à sua luta contra o poder nas mãos de poucos e os desmandos que aconteciam no Brasil, tanto é que recebeu a alcunha de “O cavaleiro da Esperança”,  justo ele, que já havia liderado na década de 1920 a chamada Coluna Prestes. Grande parte de seus companheiros, muitos deles tenentes contrários à política de Arthur Bernardes e depois de Washington Luiz em pleno período da política do café com Leite em que mineiros e paulistas se alternavam na presidencia da (velha) República, acabaram debandando ao lado de Getúlio Vargas, sendo peças importantes para que houvesse a Revolução de 1930. Prestes, porém, convicto de que a troca de governante não alteraria aforma de comandar o país, se recusa a apoiar Vargas, sendo por ele perseguido e vendo sua amada Olga ser entregue, com aval do presidente, às mãos dos cruéis nazistas, grávida de 07 meses de sua filha Anita Leocádia Prestes, para ser morta numa câmara de gás. Os princípios éticos e morais de Prestes eram tão fortes que ele, por não concordar com os desmandos dentro do PC do B (Partido Comunista do Brasil) rompeu com as lideranças do partido por entender que estas não comungavam dos mesmos interesses em prol do país. Foi exilado, perseguido sem jamais esmorecer ou perder a honra e a dignidade, sendo uma voz ativa nos anseios das classes menos favorecidas e empreender lutas contra os maus dominantes. O que percebemos é uma escassez de homens como Prestes, que deixam de agir pela conveniência financeira em prol de uma legítima luta. A cada dia que passa os notíciários do rádio e tv propagam a descoberta de novos escandalos de corrupção. A simples troca de políticos parece não resolver o problema que é fisiológico e intrínseco na cultura nacional de que o “importante” é levar vantagem em tudo. O problema não são os partidos de esquerda ou direita do Brasil. Em ambas as facções a política do favorecimento ilícito é a mesma. O chamado ‘jeitinho brasileiro” e o ‘toma lá, dá cá” não é marca deste ou aquele grupo político. É a marca dos homens maus distribuídos nas mais diversas alas. Ao longo da história do Brasil tem sido assim e a maldição da corrupção se perpetua, infelizmente. Enquanto isso o povo padece. Lojas fechando, Indústrias abrindo concordatas, engessamento da economia e a volta da inflação, cuja conta, cara por sinal, quem paga é o povo brasileiro. Onde estão aqueles que se levantarão contra essa oligarquia novamente implantada nos últimos anos? Um pequeno grupo que dilapida o patrimônio público e que parece não temer nem as consequencias terrenas quanto as divinas. Por sua postura e decencia, Luiz Carlos Prestes foi escolhido em 2012 entre os 100 brasileiros mais influentes de todos os tempos. Destes políticos que aí estão, quais serão lembrados por bons atos? Ficarão na memória popular graças aos escândalos em que seus nomes estão envoltos. Onde estão os novos Luiz Carlos Prestes deste País?
 “A prisão não são as grades, e a liberdade não é a rua; existem homens presos na rua e livres na prisão. É uma questão de consciência. ” ― Mahatma Gandhi (1868-1948)
 
Alex Fernandes França é Administrador de Empresas, Teólogo, Diretor do Jornal Noroeste e Membro da Associação dos Cronistas do Estado do Paraná.

Fonte: Alex Fernandes França

 
Veja Mais:

  • 03/08/2018 - O homem cordial, a política e a Lei de Gérson!
  • 04/06/2018 - Mundo em colapso
  • 12/01/2018 - O ano que queremos...
  • 24/11/2017 - Marcas no corpo e na alma
  • 25/08/2017 - "Nem com uma flor..."
  • 28/07/2017 - Ódio ideológico
  • 22/06/2017 - Investir em Esportes faz bem
  • 09/06/2017 - Escolas do Crime
  • 02/06/2017 - Há esperança para o Antonio Esperança?
  • 26/05/2017 - Reciclando ações
  • 19/05/2017 - A amplitude da informação aliada à Educação
  • 15/05/2017 - Até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 02/05/2017 - Viagens extraordinárias
  • 17/04/2017 - Cidadania e justiça
  • 31/03/2017 - O progresso pede passagem
  • 27/03/2017 - A carne é fraca?
  • 17/03/2017 - Respeito é bom...
  • 03/03/2017 - O menor de idade e a falência do sistema carcerário
  • 24/02/2017 - Refis: justo ou injusto?
  • 17/02/2017 - Chega de violência
  • 10/02/2017 - Que comecem os trabalhos...
  • 27/01/2017 - Fato ou boato: até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 20/01/2017 - Vilas Rurais: desvio de finalidade?
  • 06/01/2017 - Gestão Pública eficiente: anseio coletivo
  • 23/12/2016 - Real motivo de celebração
  • 17/12/2016 - Responsabilidade Humana
  • 25/11/2016 - Patrimônio inestimável
  • 11/11/2016 - Ultranacionalista no poder
  • 28/10/2016 - Finados: dia de celebrar a vida
  • 21/10/2016 - Bye bye clientes
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites