Terça Feira, 12 de Dezembro de 2017
Responsabilidade Humana


17/12/2016
Este Jornal publica nesta edição uma matéria, cujo tema, recorrente por sinal, vem gerando dissabores tanto à população, que se sente incomodada pela presença dos animais abandonadas quanto dos próprios cães e gatos que sofrem com os constantes maus tratos.
Torna-se quase impossível caminhar pelas ruas e avenidas da cidade e não se deparar com pelo menos um animal sem dono. Vagando por aqui e ali em busca de alimentos, os animais, que deveriam ser de estimação, acabam se tornando vítimas de atropelamentos e uma infinidade de doenças que quase sempre os acometem. Nós, que temos em casa 05 desses animaizinhos, aprendemos a amar estas criaturas, tratando-as com esmero, respeito e dedicação. Assim como nós, existem muitas famílias que se dedicam a cuidar corretamente dos seus bichinhos e este exemplo deveria ser extensivo a todos à sociedade, pois constitui-se grande responsabilidade cuidar destas criaturas.
A Bíblia Sagrada manda-nos cuidar dos animais à nossa guarda. Um dos sinais de um homem justo, diz a Bíblia, é ele cuidar dos seus animais (ver Provérbios 12:10). Mesmo o animal de um inimigo deve ser tratado benevolamente: "Se encontrares o boi do teu inimigo, ou o seu jumento, desgarrado, sem falta lho reconduzirás" (Êxodo 23:4). Uma das razões por que Deus mandou o Seu povo descansar um dia em sete foi para os seus animais poderem ser revigorados (ver Êxodo 23:12). Na verdade, a Bíblia diz que nunca devemos tratar nenhuma parte da criação de Deus com desprezo. Quando o fazemos, tratamos indiretamente o nosso Criador com desprezo. Em vez disso, Deus chama-nos a sermos mordomos ou administradores da Sua criação, e a Bíblia lembra-nos de que somos responsáveis perante Ele pela forma como a tratamos. Nós muitas vezes esquecemo-nos disso - mas ainda continua a ser verdade, e quando o ignoramos não apenas ferimos a criação de Deus, como também nos ferimos a nós mesmos.
Recordo-me que houve um tempo em que passava uma carrocinha, recolhendo os animais sem donos. Esta prática poderia voltar a acontecer e uma parceria entre ONGs que tratam sobre o tema e a próxima Administração Municipal poderia acontecer, no sentido de alinhar uma importante parceria. Com a inexistência de um controle eficaz, os animais acabam se procriando aumentando significativamente sua população. Este ciclo nunca cessa! Necessário se faz ampliar esforços no sentido de buscar uma alternativa/solução para o problema dos animais de Rua em Nova Esperança. Urge uma ação mais ampla e de forma conjunta com o poder público e a sociedade de modo geral para equacionar esse quadro. A construção de um abrigo para cães se faz necessária e existem meios e voluntários para isto.  Com o recolhimento dos animais, é possível realizar periodicamente Feiras de Adoção, no intuito de doar esses animaizinhos evitando, portanto que sejam devolvidos às ruas. Alternativas não faltam. Gente capacitada e com amor pelos animais, também não. Cuidar de pessoas é nossa responsabilidade. Dar carinho, amor e respeito aos animais é nossa obrigação!
 
“Quer sentir o amor puro e verdadeiro todos os dias? Adote um animal resgatado das ruas, a gratidão será eterna e o amor incondicional!” -  Marta Naufal Arruda

Fonte: Alex Fernandes França

 
Veja Mais:

  • 24/11/2017 - Marcas no corpo e na alma
  • 25/08/2017 - "Nem com uma flor..."
  • 28/07/2017 - Ódio ideológico
  • 22/06/2017 - Investir em Esportes faz bem
  • 09/06/2017 - Escolas do Crime
  • 02/06/2017 - Há esperança para o Antonio Esperança?
  • 26/05/2017 - Reciclando ações
  • 19/05/2017 - A amplitude da informação aliada à Educação
  • 15/05/2017 - Até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 02/05/2017 - Viagens extraordinárias
  • 17/04/2017 - Cidadania e justiça
  • 31/03/2017 - O progresso pede passagem
  • 27/03/2017 - A carne é fraca?
  • 17/03/2017 - Respeito é bom...
  • 03/03/2017 - O menor de idade e a falência do sistema carcerário
  • 24/02/2017 - Refis: justo ou injusto?
  • 17/02/2017 - Chega de violência
  • 10/02/2017 - Que comecem os trabalhos...
  • 27/01/2017 - Fato ou boato: até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 20/01/2017 - Vilas Rurais: desvio de finalidade?
  • 06/01/2017 - Gestão Pública eficiente: anseio coletivo
  • 23/12/2016 - Real motivo de celebração
  • 17/12/2016 - Responsabilidade Humana
  • 25/11/2016 - Patrimônio inestimável
  • 11/11/2016 - Ultranacionalista no poder
  • 28/10/2016 - Finados: dia de celebrar a vida
  • 21/10/2016 - Bye bye clientes
  • 14/10/2016 - Secretariado: escolher bem é fundamental
  • 07/10/2016 - Editorial - 07.10.2016
  • 30/09/2016 - É domingo...
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites