Sábado, 23 de Setembro de 2017
Investir em Esportes faz bem


22/06/2017
Indubitavelmente o Esporte, ao lado da Educação, configura-se em uma eficaz e importantíssima ferramenta de transformação de realidades sociais.  Uma vez ociosos, crianças, jovens e adolescentes se tornam presas fáceis nas mãos daqueles que maquinam o mal.
A linha que separa a adoção de um estilo de vida saudável e o universo das drogas é extremamente tênue. Perdi muitos amigos de infância, que cedo partiram desta vida devido às escolhas erradas que fizeram se aprofundando mais e mais nos vícios. Alguns deles são fáceis de recordar os primeiros goles que tomaram ou o primeiro baseado que fumaram. As portas para a drogadição portanto  estavam abertas e alguns destes ex-colegas, que ainda resistem, transformaram-se em zumbis, vagando pelos becos e vilas da cidade.
A comercialização dos entorpecentes é um mercado em ascensão; Indivíduos frustrados com a vida que levam ou desestruturados em suas bases familiares acabam movimentando este obscuro meio.
No ímpeto de preencher o vazio existencial, o ser humano tem mergulhado cada vez mais neste universo, numa via quase sempre sem volta, já que os índices de recuperação são baixos – dentre cada 10 internos em casa de recuperação (já coordenei uma), 02, ou seja, 20% se recuperam. O restante, infelizmente, volta para o consumo, movimentando este mercado negro. 
Com o trafico de drogas, vem a marginalidade, corrupção e a violência. Milhares de famílias vivem o caos de ter um dependente químico entre seus membros e o número de vagas em casas de recuperação é infinitamente inferior à demanda, infelizmente, crescente a cada dia.
Existem movimentos, dentre eles a conhecida Marcha pela maconha, que querem a legalização da droga, alegando que sem o tráfico, a corrupção e a violência entre policiais e bandidos, cessariam. Não penso desta forma. A maconha, assim como o álcool, são portas de entrada para substâncias mais fortes.
Os investimentos nos esportes precisam acontecer, pois estes beneficiam não somente os praticantes, inserindo-os em um contexto de vida diferente daquele que ociosidade poderia gerar como também a sociedade, que fica menos suscetíveis às ações maléficas daqueles que poderiam ter seguido outro rumo na vida.  Esta mesma coletividade acabará colhendo os frutos sem ao menos se dar conta de que outra história, infinitamente mais triste,  poderia ter sido escrita.
Nossos jovens e adolescentes precisam aprender a conviver em grupo, conhecendo noções de valores, sendo doutrinados via Esportes e Educação, a seguir as regras para a convivência pacífica e salutar. Ao tirar jovens das ruas e das drogas, o poder público garante a diminuição da violência, propiciando maior eficácia da Segurança Pública além de desafogar os leitos hospitalares com a adoção de um estilo de vida saudável.  O desenvolvimento da ordem social passa por esse caminho.
A tecnologia excessiva acabou sendo maléfica para com esta geração. É tempo de mudar o jogo, virar o quadro e reagir, pois cada ação vai gerar uma reação e, esperamos que positivas sejam.
 
“A melhor herança que um pai pode deixar ao filho ou o educador ao discípulo é a firmeza em aspirar triunfos e a capacidade de assimilar derrotas” - Moacyr Daiuto (1915-1994) 

Fonte: Alex Fernandes França

 
Veja Mais:

  • 25/08/2017 - "Nem com uma flor..."
  • 28/07/2017 - Ódio ideológico
  • 22/06/2017 - Investir em Esportes faz bem
  • 09/06/2017 - Escolas do Crime
  • 02/06/2017 - Há esperança para o Antonio Esperança?
  • 26/05/2017 - Reciclando ações
  • 19/05/2017 - A amplitude da informação aliada à Educação
  • 15/05/2017 - Até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 02/05/2017 - Viagens extraordinárias
  • 17/04/2017 - Cidadania e justiça
  • 31/03/2017 - O progresso pede passagem
  • 27/03/2017 - A carne é fraca?
  • 17/03/2017 - Respeito é bom...
  • 03/03/2017 - O menor de idade e a falência do sistema carcerário
  • 24/02/2017 - Refis: justo ou injusto?
  • 17/02/2017 - Chega de violência
  • 10/02/2017 - Que comecem os trabalhos...
  • 27/01/2017 - Fato ou boato: até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 20/01/2017 - Vilas Rurais: desvio de finalidade?
  • 06/01/2017 - Gestão Pública eficiente: anseio coletivo
  • 23/12/2016 - Real motivo de celebração
  • 17/12/2016 - Responsabilidade Humana
  • 25/11/2016 - Patrimônio inestimável
  • 11/11/2016 - Ultranacionalista no poder
  • 28/10/2016 - Finados: dia de celebrar a vida
  • 21/10/2016 - Bye bye clientes
  • 14/10/2016 - Secretariado: escolher bem é fundamental
  • 07/10/2016 - Editorial - 07.10.2016
  • 30/09/2016 - É domingo...
  • 23/09/2016 - Um bem essencial à vida
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites