Terça Feira, 21 de Agosto de 2018
::: As eleições, o mando político e a filosofia do Carpe Diem


01/08/2014
As eleições deste ano nem foram realizadas, mas seus desdobramentos com certeza repercutirão nas eleições municipais de 2016. Neste momento serão escolhidos Governadores, Senadores, Deputados estaduais e federais além de Presidente da República. As escolhas de Governador e Deputados estaduais sem dúvidas terão maiores reflexos no contexto político municipal. Dos eventuais candidatos a prefeito em 2016, quem estiver do lado do governador eleito sem dúvidas dará um passo à frente. Historicamente o apoio do governador conta muito, já que os eleitores tendem a vincular as possibilidades de exercer um bom mandato o prefeito que for “do lado’ do mandatário maior no estado. No que tange os deputados estaduais, também geram repercussões locais, por conta do tal do “mando político”, que esta legislatura pertence ao deputado Luiz Accorsi (PSDB), que dentre alguns dos “benefícios”, indica por exemplo a Chefia da Ciretran local e fica com as ações do Estado no município e região praticamente em suas mãos. Com a candidatura de pessoas da cidade, tende esse tal mando político cair, já que dificilmente alguém consegue superar em votos um candidato local ou pelo menos a história assim demonstra. Em todas as eleições que disputou, o ex-deputado Basílio Zanusso, eleito 08 vezes para a Assembleia Legislativa do Estado, saiu de Nova Esperança com uma excepcional votação, indo buscar em cidades fora do eixo da comarca, os votos necessários para que fosse eleito. A primeira e maior chance de eleição, está com os candidatos conhecidos na sociedade, que atuam com uma frente de campanha cuja população conhece, admira e portanto se identifica. Representando determinado segmento, o candidato gera uma “marca” eleitoral, cuja bandeira se estenda a outros setores. Por exemplo: Alguém ligado à agricultura, acaba sendo admirado e tendo potencial de ganhar votos do público ligado à Industria ou Comércio, pois sem dúvidas são setores interligados. Já para candidatos famosos na mídia do País tivemos exemplos clássicos de eleitos com tranqüilidade com o uso da fama, como o cantor Moacir Franco, que se elegeu deputado federal só uma vez e se arrependeu amargamente da experiência. Aguinaldo Timóteo também se elegeu e continua na política. Ficou famoso quando mandou um “tcháu” para sua mamãe em plena entrevista em Brasília. Neste patamar está a turma que compra votos na eleição. É a turma da “grana” que se elege a peso de ouro. Esta categoria de candidato tem que ter muito dinheiro mesmo, pois o retorno do “investimento” em nível de votos ronda mais ou menos vinte por cento, ou seja; para cada cem votos comprados dá para contar com uns vinte votos na urna. Este jogo é pesado.Alguns buscam preencher o espaço vazio de suas vidas, outros buscam proteção da lei (com a imunidade parlamentar), para postergarem condenação na justiça, até por sonegação fiscal e outros crimes graves. Como se sabe, na nossa cidade e região existem praticamente dois grupos políticos. Lembra muito os Estados Unidos, onde os Partidos Democrata e Republicano se alternam no poder. Lá no caso existem apenas esses dois partidos. Aqui no Brasil existem vários, mas que coligando entre si, compõe basicamente dois imensos “grupões” e juntos caminham durante todo o pleito. Mas a história também mostra que a fragmentação praticamente é inevitável, pois uma vez juntos eleitos, acabam correndo depois atrás de seus próprios interesses para criar uma frente política já com vistas às eleições subsequentes, ou seja, o que vale é o “Carpe Diem”, expressão em latim de Horácio (65 a.C- 8 a.C.) que significa “aproveite o momento”. É também utilizada como uma expressão para solicitar que se evite gastar o tempo com coisas inúteis ou como uma justificativa para o prazer imediato, sem medo do futuro. O ex-prefeito de Nova Esperança, gestão 1982 a 1988, dr. João Urbano dizia que o político é um ser muito dinâmico, o que diz de manhã já não poderá servir ao término do dia. Como se vê, a Política do Carpe Diem não é nova e pelo jeito vai durar muito...mas muito tempo mesmo!

Fonte: Alex Fernandes França

 
Veja Mais:

  • 03/08/2018 - O homem cordial, a política e a Lei de Gérson!
  • 04/06/2018 - Mundo em colapso
  • 12/01/2018 - O ano que queremos...
  • 24/11/2017 - Marcas no corpo e na alma
  • 25/08/2017 - "Nem com uma flor..."
  • 28/07/2017 - Ódio ideológico
  • 22/06/2017 - Investir em Esportes faz bem
  • 09/06/2017 - Escolas do Crime
  • 02/06/2017 - Há esperança para o Antonio Esperança?
  • 26/05/2017 - Reciclando ações
  • 19/05/2017 - A amplitude da informação aliada à Educação
  • 15/05/2017 - Até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 02/05/2017 - Viagens extraordinárias
  • 17/04/2017 - Cidadania e justiça
  • 31/03/2017 - O progresso pede passagem
  • 27/03/2017 - A carne é fraca?
  • 17/03/2017 - Respeito é bom...
  • 03/03/2017 - O menor de idade e a falência do sistema carcerário
  • 24/02/2017 - Refis: justo ou injusto?
  • 17/02/2017 - Chega de violência
  • 10/02/2017 - Que comecem os trabalhos...
  • 27/01/2017 - Fato ou boato: até onde vai a credibilidade das redes sociais?
  • 20/01/2017 - Vilas Rurais: desvio de finalidade?
  • 06/01/2017 - Gestão Pública eficiente: anseio coletivo
  • 23/12/2016 - Real motivo de celebração
  • 17/12/2016 - Responsabilidade Humana
  • 25/11/2016 - Patrimônio inestimável
  • 11/11/2016 - Ultranacionalista no poder
  • 28/10/2016 - Finados: dia de celebrar a vida
  • 21/10/2016 - Bye bye clientes
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites