Sábado, 17 de Fevereiro de 2018
53% dos jovens brasileiros estão no ensino médio; média da OCDE é de 95%


12/09/2017

Dados integram a mais recente edição do estudo "Education at a Glance" ("Um olhar sobre a educação", na tradução livre do inglês).


 

Apenas 53% dos jovens brasileiros estavam matriculados no ensino médio em 2015. O índice é muito inferior ao observado nos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), onde a média de matrícula dos estudantes de 15 e 16 anos é de 95%.



Os dados, divulgados nesta terça-feira (12), são do levantamento "Education at Glance 2017", da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que compara, no cenário internacional, dados do sistema educacional dos 34 países membros da OCDE. Assim como a Rússia, o Brasil não integra a OCDE, mas compõe o relatório.



No Brasil, o índice de escolarização piora depois que o jovem completa 18 anos: nesta idade, menos da metade está na escola. As taxas estão abaixo da maioria dos países da OCDE, onde pelo menos 90% dos jovens de 15 a 17 anos estão no ensino médio, e, em média, 75% dos que têm 18 anos estão no ensino superior.



Outro dado que reflete o problema do ensino brasileiro é o tempo de conclusão. Só metade dos alunos brasileiro completa esta modalidade de ensino dentro de período ideal, de três anos. O estudo aponta que em 68% dos países da OCDE este período de conclusão é mais rápido.



O estudo mostra, ainda, que aos 17 anos, 92% dos indivíduos estavam matriculados no ensino médio em toda a OCDE, atingindo 100% na Irlanda, na Eslovênia e no Reino Unido.



 


Ensino superior



 


Embora, os 18 anos sejam uma idade transição entre a educação básica e o ensino superior, o estudo mostra que, em média, em todos os países da OCDE, 26% dos jovens de 19 anos ainda estão matriculados no ensino médio.



Segundo a OCDE, 90% dos jovens de 19 anos da Finlândia, Polônia, Eslovênia e Suécia estão no ensino médio, enquanto 61% dos coreanos estão iniciando o ensino superior com esta idade.



 


Cursos



 


No Brasil, os cursos de graduação na área de negócios, administração e direito representaram 37% dos graduados em 2015 (a média da OCDE é 24%). A segunda área mais popular entre os universitários é o de educação, que representou 20% dos diplomados, o dobro da média da OCDE. Somente Costa Rica e Indonésia têm maior participação de diplomados no campo da educação, com 22% e 28%, respectivamente.

 



Baixo gasto por aluno



 


O relatório da OCDE aponta que o investimento em educação representa uma grande parcela dos recursos do país, mas o gasto por aluno está abaixo da média da OCDE.



"O governo brasileiro gasta 0,6% de seu produto interno bruto (PIB) na educação básica (a média da OCDE é 0,8%) e as instituições públicas gastam 3.800 dólares anuais por criança. Esta despesa por estudante é inferior à metade da média da OCDE (US$ 8,9 mil)", aponta o estudo.

 


A OCDE ainda destaca que o investimento está na média do gasto de outros países da América Latina: abaixo do Chile e Costa Rica, mas acima da Argentina e do México. O estudo aponta que os índices mais baixos de investimento em educação ocorrem, sobretudo, por causa dos baixos salários para provessores e pelo fato de haver um menor número de professores por aluno.



A OCDE considera que o salário inicial do professor no Brasil é de US$ 13 mil para o ensino primário para o ensino secundário, consideravelmente abaixo das médias da OCDE para esses níveis, que são todos acima de US$ 30 mil.

 

 





Fonte: g1.globo.com

 
Veja Mais:

  • 08/02/2018 - Desafio do desodorante, da camisinha, da cola: as ondas online que põem vida de crianças em risco
  • 08/02/2018 - Rede estadual de ensino se prepara para início das aulas
  • 07/02/2018 - UEM é destaque em produção científica e formação de doutores
  • 07/02/2018 - Servidores da UEM decidem encerrar greve após o pagamento de salários
  • 01/02/2018 - Estado vai dobrar recursos do fundo rotativo para escolas
  • 29/01/2018 - Lista de aprovados do Sisu 2018 é divulgada
  • 25/01/2018 - Sisu 2018 passa de 1,5 milhão de candidatos; veja os 5 cursos mais procurados
  • 24/01/2018 - Universidades aderem ao Meta-4 e governo alerta UEM e UEL
  • 23/01/2018 - Jovens conectados e equilibrados?
  • 23/01/2018 - Inscrições para o Sisu começam nesta terça-feira; confira vagas no Paraná
  • 22/01/2018 - Vamos falar de um assunto que interessa a todos: a qualidade da Educação brasileira
  • 18/01/2018 - Resultado do Enem 2017 será divulgado na manhã desta quinta
  • 17/01/2018 - MEC inicia debates para implantar Base Nacional Comum Curricular
  • 09/01/2018 - ENEM: STF mantém decisão e redações que “ferirem” direitos humanos não poderão ser zeradas
  • 19/12/2017 - Unespar abre teste seletivo para contratação de 101 professores temporários
  • 14/12/2017 - Governo do Paraná alerta que mudanças no sistema de controle de contas vai afetar universidades fora...
  • 06/12/2017 - UEM precisa de R$ 45,3 milhões para concluir obras inacabadas, diz reitor
  • 04/12/2017 - Escola Municipal do Campo Padre Ladislau Ban
  • 04/12/2017 - Escola Municipal do Campo Padre Ladislau Ban
  • 30/11/2017 - Contratos do Fies do 2º semestre precisam ser renovados até quinta-feira (30)
  • 24/11/2017 - Escola Municipal Jorge Amado
  • 24/11/2017 - Escola Municipal Júlio Benatti
  • 24/11/2017 - Vamos falar de um assunto que interessa a todos: a qualidade da educação brasileira
  • 17/11/2017 - Escola Municipal Vereador Jorge Faneco
  • 17/11/2017 - Escola Municipal Vereador Jorge Faneco
  • 10/11/2017 - Escola Municipal Tancredo Neves
  • 10/11/2017 - Escola Municipal “Tancredo Neves”
  • 03/11/2017 - Escola Municipal Filomena Monaro Zanusso
  • 03/11/2017 - Nova Esperança inaugura polo Unicesumar - EAD
  • 30/10/2017 - Escola Municipal Ana Rita de Cássia
  •  
    © Jornal Noroeste - Escrevendo a história de Nova Esperança e região desde 1985
    Rua Governador Bento Munhoz da Rocha Neto, 354 - Sala 101 - Nova Esperança, PR - CEP 87600-000 - Fone 044 3252 3908
    Desenvolvido por Hnet Websites